O Documentário 9.70

0
171

O documentário 9.70, nos mostra uma série de imagens impactantes, em que os agentes da ESMAD (Esquadrão Móvel Anti distúrbios da Colômbia) destroem 70 toneladas de arroz produzido pelos camponeses dos municípios de Campoalegre, também chamado de “Capital do Arroz do Huila”, e como o processo de separar parte da safra como semente para a próxima produção, algo que sempre foi feito pela tradição, tornou-se um crime na Colômbia.

Mas o acontecimento em si não é menos violento do que as circunstâncias que o originaram. Em 2010, foi assinada a Resolução 970 do ICA (Instituto Colombiano Agropecuário), na qual o governo Colombiano concorda em proteger as sementes “com direitos autorais”, em favor de empresas multinacionais como Monsanto, Syngenta ou Du Pont, com o objetivo de se tornarem elegíveis para assinar o Acordo de Livre Comércio entre a Colômbia e os Estados Unidos.

Campesinos de Campoalegre protestando en el paro agrario

Os camponeses de Campoalegre protestaram na greve agrária

Desta forma, os camponeses se tornam delinquentes por fazerem o que sempre fizeram e o que todos os camponeses do mundo naturalmente fazem para renovar suas colheitas, e, agora, cada vez que querem plantar arroz, eles terão que comprar as sementes geneticamente modificadas que as multinacionais vendem.

O documentário é dirigido por Victoria Solano, uma jovem cineasta colombiana, e conta como o campo, hoje entregue às multinacionais, atravessa uma das suas piores crises, as quais parecem estar apenas começando. Conforme relatado por Victoria Solano, “quando você olha para outros países com TLC, nenhum melhorou. Se fosse esse o caso, o México seria uma grande potência hoje, mas 60% das empresas mexicanas são estadunidenses e 70% dos camponeses faliram. No final, o que você vê é um país em crise e com violência “.

O Pacto Mundial Consciente apresenta este documentário como um chamado para avaliar os rostos de desespero dos camponeses de Campoalegre, na Colômbia, escondidos atrás dos números apresentados pelos economistas e advogados ao avaliar os benefícios do TLC.